Família Boaretto

A jovem Catiani Maria Neves Anjos, de 25 anos, passou dias de terror após ser picada por uma jararaca na garagem de uma fazenda, no dia 15 de dezembro, em Primavera do Leste (244 km de Cuiabá).

Seu marido, Dionísio Pereira Anjos, relatou que a mulher estava saindo da garagem quando sentiu uma picada na perna.

Ela não conseguiu ver a cobra, mas começou a sentir muita dor e no mesmo instante gritou pelo marido.

Imediatamente, Dionísio a levou para um hospital particular, contudo o local não tinha o soro antiofídico.

Mesmo assim, a médica que atendeu Catiani teria demorado a encaminhá-la para outro hospital.

A jovem, depois de passar por exames, finalmente foi levada para a Unidade de Pronto Atendimento (UPA), porém o hospital também não tinha o soro.

Em seguida, Catiani foi transferida para o Hospital Regional de Rondonópolis. Mas começou a passar mal durante o caminho.

“Ela começou a ter reações. Estava saindo sangue pelos dedos e pelas unhas dela”, relatou Dionísio.

Somente às 10h30 conseguiu chegar ao hospital, onde recebeu o medicamento. Mas assim que tomou a medicação, Catiani teve um Acidente Vascular Cerebral (AVC).

Catiani precisou passar por uma cirurgia e ficou seis dias internada na Unidade de Terapia Intensiva (UTI).

“Os médicos falaram que ela estava em estado crítico e que deveria ficar uns 30 dias na UTI, mas ela conseguiu se recuperar rápido”, informou Dionísio.

O marido ficou revoltado com a falta de preparo dos hospitais e de medicação. “Com essa demora, se tivesse o soro, nada disso teria acontecido”.

No domingo de Natal, Catiani recebeu alta, porém movimenta com dificuldade os membros do lado esquerdo do corpo. Ela também estava com dificuldades para falar.

Segundo Dionísio, os médicos estão otimistas com a recuperação de sua esposa. “Ela tem uma possibilidade de recuperação. Agora precisa fazer a terapia para recuperar os movimentos”.